Palavra da Diretora

A comunicação na sociedade atual tem se tornado algo cada vez mais crítico, seja pela velocidade crescente das diversas interações, seja pela quantidade de informações a serem transmitidas em períodos de tempo cada vez menores.

Numa instituição de ensino com a missão de formar profissionais na área da saúde, o desafio de obter boa comunicação é extremamente importante. Os motivos são os mais diversos: precisamos informar estudantes e professores sobre tópicos relacionados às mudanças curriculares, aos treinamentos, cursos, disponibilizar material didático, resultados de provas, matrículas, itens diversos e com diferentes graus de importância e significado para membros de uma comunidade multidisciplinar, complexa por natureza, com peculiaridades especiais e atividades diversificadas na graduação, pós-graduação e extensão.

Em situações de tal envergadura, para atender satisfatoriamente às demandas existentes, a tendência atual é utilizar a Tecnologia da Informação e das Comunicações (TI&C). Um dos desafios adicionais, nesse cenário de múltiplas carências e parcos investimentos, é disponibilizar os recursos das novas tecnologias numa comunidade cujos membros não dispõem de treinamento e acesso adequados. Nossa escola, por exemplo, não tem uma disciplina de Informática Médica – sequer de Microinformática – e o uso das ferramentas da denominada web 2.0 resulta irregular, sem uma política ou planejamento apropriado, mas que aos poucos se está organizando.

É nesse cenário, portanto, e longe de ceder às tentações do pessimismo, que entra no ar a nova página eletrônica da Faculdade de Medicina da UFC. É um desafio enorme, que vem sendo desenvolvido com muita dificuldade há vários meses, agora com respaldo profissional, e surge no momento em que outros desafios estão sendo assumidos pela área da saúde no Campus do Porangabussu: consolidação do Telessaúde, implantação do UNA-SUS, formação de Tutores para Educação a Distância, início do funcionamento do Curso de Fisioterapia (sob responsabilidade da Diretoria da Faculdade de Medicina), utilizando ferramentas dentro das modernas tendências atuais: os servidores, por exemplo, estão configurados com Linux – sistema operacional livre, reconhecido como símbolo de liberdade intelectual, de independência e de modernidade, além de várias outras funcionalidades empregando software livre (com destaque para o Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA, com Moodle).

A página da Faculdade de Medicina, porém, surge com um objetivo bem específico nesse final de ano: tentar constituir o cartão de visita da escola e o ponto de encontro de toda a comunidade que a constitui. Mas é crucial, ao mesmo tempo, despertar a discussão sobre o planejamento da política de TI&C em Educação Médica e em Saúde, incluídos aí o treinamento em Informática, em Educação à Distância (EaD) on-line, o crescimento do Projeto de Telessaúde, a participação no UBNA-SUS, a convergência, a cooperação e o diálogo permanentes que o Seminário PorangabuSUS propõe, contribuindo para a crescente melhoria da educação tecnológica dos profissionais médicos egressos dessa escola, em caráter permanente. Sem esquecer os cursos médicos de Barbalha e Sobral, responsabilidade de quem os ajudou a nascer. É um caminho, um processo, um fazer, e o diálogo torna-se importante na tarefa de construir esta realidade. A participação de cada membro do corpo docente, discente, e dos funcionários é fundamental. O compromisso individual, contribuindo para a solução do anseio comunitário, construída em etapas que acrescentem gradativamente ganhos irrefutáveis à causa comum, é indispensável.

Profª Drª Valéria Goes Ferreira Pinheiro